Mais recentes

Notícias

› Para comemorar: Roubo de cargas tem queda de 70% em Santa Catarina

Sitran Chapecó diz que redução é fato "extremamente promissor" e traz alívio ao TRC

Chapecó (2.6.2020) - Os índices de roubo, furto e saque de cargas caíram 70% em Santa Catarina se comparados aos anos de 2018 e 2019. O Estado compõe o percentual de queda da Região Sul, que somou 5% no último ano. O dado foi revelado pela Delegacia de Furtos e Roubos de Cargas da Diretoria Estadual de Investigação Criminal (DFRC/DEIC) e pela Fetrancesc (Federação das Empresas de Transporte de Carga e Logística no Estado de Santa Catarina).

No panorama das ocorrências no ano passado o Estado registrou 60 casos, contra 198 em 2018. Neste ano a realidade é ainda mais otimista no combate ao roubo, furto e saque de cargas. Nos quatro primeiros meses de.2020 foram apenas 27 ocorrências. No mesmo período de 2019 chegou a 51 casos. Os dados, em percentuais, representam índice negativo de 53% no volume de ocorrências.

A DFRC/DEIC mostra que somente em 2020, foram mais de R$ 13 milhões em apreensão de cargas, implementos e veículos utilizados nas práticas criminosas e/ou subtraídos, além de mais de R$ 11 milhões sequestrados em inquérito policial em trâmite na delegacia. O resultado das ações em Santa Catarina são 104 pessoas indiciadas, 20 prisões temporárias, 82 prisões preventivas e 115 mandados de busca e apreensão, em 2019. Somente nos primeiros quatro meses de 2020, são 37 pessoas indiciadas, 17 prisões temporárias, 28 prisões preventivas e 33 mandados de busca e apreensão.

O delegado da DFRC/DEIC, Osnei Valdir de Oliveira, disse que o período de maior concentração de casos deste ano foi em março. No início da quarentena, em virtude da pandemia, houve grande concentração de ocorrências. “São quadrilhas especializadas, altamente articuladas" condição que exige muito estudo "na estruturação dos inquéritos e denúncias”.

A diminuição resulta de ações conjuntas de combate e repressão à ação criminosa entre a Fetrancesc e a Secretaria de Segurança Pública, a partir de 2017, quando o Estado registrava constante crescimento. O presidente da federação, Ari Rabaiolli, comemora os resultados positivos que, para ele, são reflexo "das ações conjuntas das forças de segurança de todos os Estados do Brasil, particularmente no combate ao roubo de cargas". Assegura que “se há roubo de cargas é porque há o receptador" e não basta apenas combater o criminoso. "É preciso controlar o receptador", recomenda.

Proteção - Já o presidente do Sitran Chapecó, (Sindicato das Empresas de Transporte de Carga e Logística), Deneraci Perin, acentua que o firme enfrentamento ao roubo de cargas se traduz "em segurança às empresas do setor de Transporte Rodoviário de Cargas - TRC e amparo à vida dos motoristas". Perin destacou que a acentuada queda na quantidade de ocorrências é graças a criação da delegacia especializada e o eficiente trabalho de delegados e investigadores. Enalteceu as providências dos órgãos e instituições envolvidas nesta "verdadeira guerra" contra o roubo de cargas. Para ele a evolução conquistada "pela incessante e produtiva atuação" é forte indicador de que o TRC "está devidamente protegido".

Doação de viaturas - A Fetrancesc doou mais uma viatura, a terceira, para a Delegacia de Furtos e Roubos de Cargas da DEIC, desde a criação do órgão pela Secretaria de Segurança Pública, em 2018. A iniciativa foi apoiada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT). As primeiras duas viaturas foram doadas em março de 2018 e setembro de 2019. Somente com esta parceria "é que nós alcançamos os resultados trazidos a domínio público", justificou o delegado geral da Polícia Civil de Santa Catarina, Paulo Koerich. Ele comenta que o Estado "tem expressivo diferencial em defesa do cidadão e do transportador", também em consequência do esforço conjunto colocado em prática.

- Foto: Eficiente combate ao crime determina queda no volume de roubos de cargas no Estado

Assessoria de Imprensa Fetrancesc/Sitran



Todos os direitos reservados ao SITRAN - (49) 3323-3704 Clipweb