Mais recentes

Notícias

› Prolongamento da BR 158: Fórum de debate mobiliza pela implantação de obra que liga Sul do País

Presidente do Sitran e conselheiro da Fetrancesc, Deneraci Perin, diz que a construção do trecho rodoviário com 60 km é essencial à economia da região

 Chapecó (28.4.2019) - Se estende ao longo de 40 anos a reivindicação para implantar o prolongamento da BR 158, trecho rodoviário de excessiva importância à economia de Estados do Sul do País. A rodovia que “corta” a região sul brasileira começa no Rio Grande do Sul, segue pelo Paraná, mas, em Santa Catarina termina na BR 282, em Maravilha, no Oeste. A Comissão Especial de Prolongamento - CEP promoveu, em Maravilha, Fórum de Debate para fortalecer o movimento pela implantação de trecho da rodovia.

O presidente do Sitran Chapecó (Sindicato das Empresas de Transporte de Carga e Logística), Deneraci Perin, crê que a iniciativa possa sensibilizar o governo federal a construir a obra que representa “definitiva integração do Sul do Brasil”, e maiúsculo “estímulo à economia regional”. Perin participou da discussão representando também a Fetrancesc (Federação catarinense das empresas do setor), na condição de membro do Conselho de Representante da instituição.

O Fórum reuniu lideranças políticas, empresários, líderes do agronegócio e técnicos, das regiões Oeste de Santa Catarina e Noroeste do Rio Grande do Sul, as mais afetadas. A BR 158 atravessa o país de Sul a Norte e é estratégica aos dois Estados. A Comissão quer implantar o trecho ligando Maravilha a São Lourenço do Oeste (SC), com extensão de apenas 60 km, para chegar a Vitorino (PR) onde a rodovia já existe. A obra uniria definitivamente o Sul, ao Brasil. Implantar a continuidade da BR significa irrepreensível benefício ao setor econômico, especialmente o agronegócio, crescimento regional e substancioso desafogo à BR 282.

O trajeto catarinense da 158 liga Cunha Porã a Maravilha parando na 282. A partir deste entroncamento as opções, para seguir ao Paraná e demais estados, são pelos Municípios de São Miguel do Oeste ou Chapecó, alongando a viagem (dependendo da escolha) em mais de 300 quilômetros para chegar ao mesmo destino. O Oeste tem déficit de 4,7 milhões de toneladas de milho e farelo de soja, volume majoritariamente transportado da região central do Brasil. Somente estes dois itens exigem a movimentação diária de 595 carretas bitrem, trânsito que requer rodovias compatíveis. A abertura do complemento da 158 facilitaria e muito o atendimento, mesmo parcial, da demanda.

Confiança - Não há ceticismo, mas as lideranças admitem que forte pressão precisará ser exercida para conseguir o objetivo. O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes – Denit, lembra que várias etapas precedentes à implantação do trecho necessitam ser “queimadas”. O cumprimento passa pela eliminação de fases como viabilidade técnica, projetos, aprovações e, o mais complexo pela burocracia, a federalização do “caminho”.

O presidente da CEP, vereador Luiz Hermes Brescovici, disse que a mobilização foi engrossada pelo Fórum e a pressão junto ao governo passa a se intensificar. “Não vamos sossegar até ver o prolongamento implantado”, garante. Já a prefeita de Maravilha, Rosimar Maldaner, entende que o processo “exige muita luta” e a união de forças “certamente superará as barreiras”.

O Fórum elegeu uma Comissão Interestadual para atuar perante aos setores competentes na busca de atendimento ao pleito. Vai agir com voluntariedade exercendo forte pressão e adequado rigor. Mediante os relevantes argumentos a comissão espera convencer autoridades federais a executarem a obra. Mesmo com um longo caminho a percorrer, a expectativa das lideranças dos dois Estados é que o fim das quatro décadas de espera, pode estar próximo.

- - - - -

Foto: Oeste e Noroeste de SC e PR querem, com a maior brevidade possível, ver o prolongamento implantado

- - - - -

Assessoria de Imprensa do SITRAN



Todos os direitos reservados ao SITRAN - (49) 3323-3704 Clipweb